General líder dos kids pretos diz que se reuniu com Bolsonaro a mando do comandante do Exército


Estevam Theophilo Gaspar de Oliveira, do Comando de Operações Terrestres, teria a incumbência de prender Alexandre de Moraes caso o golpe fosse consumado. Ele não se calou em depoimento à PF.

 

Estevam Theóphilo e Jair Bolsonaro na inauguração da pequena ponte feita por militares no Amazonas.Créditos: Exército / Presidência da República


por Plínio Teodoro


Em depoimento à Polícia Federal (PF), o general Estevam Theophilo Gaspar de Oliveira, que liderava o Comando de Operações Terrestres (Coter), afirmou que esteve na reunião golpista com Jair Bolsonaro ( https://revistaforum.com.br/temas/jair-bolsonaro-3080.html ) (PL) em dezembro de 2022 por ordem do então comandante do Exército, Marco Antônio Freire Gomes ( https://revistaforum.com.br/temas/marco-antnio-freire-gomes-64185.html ). A informação é de Bela Megale, no jornal O Globo.

Theóphilo prestou depoimento à Polícia Federal (PF), em Fortaleza (CE), por cinco horas na última sexta-feira (23). Diferentemente de outros dos 14 membros da organização criminosa - como Jair Bolsonaro (PL) -, o general não se calou e respondeu o que lhe foi indagado pelos investigados.

Segundo a PF, o general fazia parte do "Núcleo de Oficiais de Alta Patente com Influência e Apoio a Outros Núcleos" da facção criminosa e teria sido incumbido de prender Alexandre de Moraes, ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) e presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), caso o golpe se consumasse.

Além disso, juntamente com os generais Walter Braga Netto e Paulo Sergio Nogueira de Oliveira e o almirante Almir Garnier, Theophilo atuava para coagir a cúpula das Forças Armadas a aderirem ao golpe.

"Nesse sentido, além de ser o responsável operacional pelo emprego da tropa caso a medida de intervenção se concretizasse, os elementos indiciários já reunidos apontam que caberiam às Forças Especiais do Exército (os chamados kids pretos) a missão de efetuar a prisão do ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Alexandre de Moraes assim que o decreto presidencial fosse assinado", diz a investigação.


Golpe nas Forças Armadas


Irmão do general da reserva Guilherme Theophilo, ex-secretário de Segurança Pública de Jair Bolsonaro (PL) e candidato derrotado ao governo do Ceará, o comandante de Operações Terrestres do Exército (Coter), Estevam Cals Theophilo Gaspar de Oliveira, general de 4 estrelas, tentou um golpe na própria instituição para colocar sob seu comando as organizações militares de elite da força.

Estevam e Guilherme vêm de uma longa dinastia militar. Eles são filhos do general de brigada Manoel Theophilo Gaspar de Oliveira Neto, morto em 2008, que atuou na cúpula das Forças Armadas durante a ditadura militar.

Estevam Theophilo fez carreira militar e chegou ao Comando de Operações Terrestres em novembro de 2019, quando Guilherme estava no governo.

No cargo, ele sugeriu  a criação de um comando multidomínio para colocar as forças de elite do Exército sob a alçada de apenas um general – que seria ele próprio.

Ficariam sob o guarda-chuva do Coter integrantes dos comandos de operações especiais, artilharia, defesa cibernética, comunicação e guerra eletrônica, entre outras tropas especializadas.

O nome de Estevam Theophilo também chegou a ser ventilado para o Comando do Exército em novembro de 2022, quando os militares avaliavam quem assumiria o posto no governo Lula – o escolhido foi o general Júlio Cesar de Arruda, que caiu após os atos golpistas no dia 8 de janeiro. Dos quatro indicados, no entanto, Theophilo era o último a ganhar as quatro estrelas, entregues a ele quando assumiu o Coter.

Assim como Bolsonaro, Estevam Theophilo foi aluno da Academia Militar das Agulhas Negras, a Aman, tida como o berço do chamado Partido Militar – agremiação na caserna que não tem registro na Justiça Eleitoral, mas controla boa parte de militares políticos da extrema direita.

Diferentemente do irmão, que entrou nas fileiras da política partidária, Estevam fez política dentro do Exército, chegando a inaugurar, quase três meses antes de Bolsonaro, a ponte de 18 metros de comprimento por 6 metros de largura em São Gabriel da Cachoeira (AM).

A inauguração da pequena ponte por Bolsonaro gerou polêmica pelo fato de o presidente ter gastado mais para levar a comitiva até o local do que o valor pago pela União no empreendimento.

Outra polêmica no governo foi do irmão de Estevam. Antes de ser nomeado por Moro, ainda durante a campanha ao governo do Ceará, Guilherme Theophilo afirmou em entrevista que "não houve ditadura militar no Brasil".

“Primeiro, não é golpe, chama-se contragolpe democrático de 64. Estava à beira de ter um golpe através do senhor João Goulart, que levaria o nosso país ao socialismo. Esse era o golpe que ia ser dado.

Estava tudo caminhando para isso, o Che Guevara tinha recebido uma medalha de honra que poucos recebem, a Ordem do Rio Branco… Então um herói cearense, chamado Marechal Humberto de Alencar Castelo Branco, liderou um contragolpe democrático que levou o país a corrigir toda essa estrutura comunista que estava sendo implantada”, afirmou em agosto de 2018.

Na ocasião, Theophilo ainda atacou a Comissão da Verdade, que apurava os crimes de militares na ditadura, e defendeu o "regime de exceção" no Brasil.

“O Brasil precisava de um regime de exceção. Não é ditadura. Não houve ditadura no Brasil. Um regime de exceção é um regime forte”, vociferou.




Fonte: Revista Fórum
 


URL for news «General líder dos kids pretos diz que se reuniu com Bolsonaro a mando do comandante do Exército»   -
«PORTAL DA CSPB»   -