Começou o II Encontro Regional do Setor Público da América Latina e Caribe

15/12/2022 | 07:20



Com uma cerimônia de abertura realizada no Honorável Senado da Nação Argentina, esta importante reunião regional organizada pela Confederação Latino-Americana e do Caribe dos Trabalhadores do Estado (CLATE) e pela Internacional de Serviços Públicos (ISP) começou nesta quarta-feira em Buenos Aires.





O evento foi realizado no Salão Auditório “Emar Acosta” do Anexo do Senado Argentino e contou com a presença de trabalhadores do setor público e representantes de organizações sindicais de mais de 10 países da região.

O encontro foi aberto pelos dirigentes Júlio Fuentes da CLATE e Federico D’Avila da ISP.

A delegação brasileira é liderada pelo presidente da Confederação dos Servidores Públicos do Brasil - CSPB, João Domingos Gomes dos Santos, e integrada por Sérgio Arnoud e Marco Silva.

Federico Dávila, vice-presidente do PSI Global Union, foi o primeiro palestrante do encontro e destacou o trabalho conjunto realizado nos últimos anos entre CLATE e PSI: “É um encontro muito representativo do sindicalismo na América Latina e tem significativa importância no cenário internacional, atravessado por diversas crises sociais, econômicas, de saúde, conflitos armados e também por uma crise dos sistemas de governança democrática”.





"Temos que nos organizar e fortalecer as organizações sindicais nacionais e internacionais, particularmente na América Latina, onde há uma oportunidade, com as mudanças de governo, de olhar para a unidade dos povos, neste novo multilateralismo e reestruturação que nossa planeta está passando", disse Davila.

A seguir, o presidente da CLATE, Julio Fuentes, comemorou a aproximação e cooperação entre as duas entidades: “Temos uma história de 50 anos de convivência entre essas duas organizações e há algum tempo começamos a cunhar uma ideia: diante da crise , Diante do que está acontecendo com nossos povos, começa o tempo de cooperação entre CLATE e PSI. Isso nos permitiu chegar até hoje”.





“Temos que ter uma agenda e uma ação comum. Se não o fizermos, estaremos condenando nossos povos a retrocessos. É disso que se trata esta atividade, para nos encorajar, para nos dar coragem para este desafio, precisamos de unidade na ação, para que o futuro seja público e para garantir os direitos dos trabalhadores”, disse Fuentes.

Por sua vez, Julia Perié , parlamentar do Mercosul, refletiu sobre “a importância das empresas estatais na América Latina, que têm um impacto social e econômico significativo, como prestadoras de serviços públicos para nossos povos”. E frisou: “É preciso fortalecer o Estado, gerar consensos que priorizem as políticas públicas, para que haja mais crescimento, com equidade na redistribuição da riqueza”.





Por sua vez, Carlos Custer, líder histórico da ATE e CTA e presidente do Conselho Consultivo Político da CLATE, disse: “Vocês são um exemplo para a América Latina e para as organizações sindicais. O fator unidade é fundamental para os trabalhadores, é o que pode nos permitir enfrentar o poder das minorias que nos governam. A unidade de ação deve ser fortalecida, respeitando as diversidades.





Ele também destacou a importância de “revalorizar o papel do Estado, que é o único instrumento a serviço do bem comum”. E concluiu: “CLATE e PSI nos mostram um caminho, trabalham juntos, organizam lutas populares e dão uma visão latino-americana e internacional à nossa luta”.

Juntamente com os dirigentes do PSI, estiveram presentes os seguintes membros do Comitê Executivo da CLATE: João Domingos Gomes dos Santos (CSPB-Brasil), 1º Vice-Presidente; Percy Oyola (UTRADEC-Colômbia), 3º Vice-Presidente; Martín Pereira (COFE-Uruguai), secretário geral; Sergio Arnoud (CSPB-Brasil), Secretário-Geral Adjunto; Johanna Chinchilla (FENOTRAP-Costa Rica), secretária regional para a América Central; Narciso Castillo (UNTE-Paraguai), Secretário de Direitos Humanos; Humberto Correa (UTRADEC-Colômbia), secretário suplente de Direitos Humanos; Matías Fachal (FJA-Argentina), secretário suplente para a Formação; Estérea González (ATE-Argentina), secretária suplente de Gênero e Diversidade; Arturo Quiñoa (APJBO-Argentina), Secretário de Novas Tecnologias no Trabalho.





Também participaram: Rodolfo Aguiar, secretário geral adjunto da ATE; Mario Muñoz, líder do ATE; Matías Cremonte, assessor jurídico da CLATE e presidente da ALAL; Guillermo Lugones, titular da UPJ e membro da CLATE; Claudio Britos e Maximiliano Rotundo, representantes da ATE-Congresso; Angela Rifo, líder da ANEF no Chile.

O encontro segue à tarde com um seminário sobre "Análise das medidas governamentais adotadas pelos governos frente à pandemia, como mitigação da crise", da pesquisadora sindical Silvia Portela, e outro sobre "Perspectivas para a superação do situação econômica na América Latina: o papel da luta por Justiça Fiscal, Dívida Externa e contra os FTAs. Este segundo painel será conduzido pelo economista Claudio Lozano, Enrique Daza (Justiça Fiscal) e Luciana Ghiotto (América Latina Melhor Sem FTA).
 

Assista ao vídeo institucional do evento:








Fonte: Confederação Latino-Americana e do Caribe de Trabalhadores Estatais – CLATE com adaptações

 
.