O Comitê Executivo do CLATE 2022 começou

25/10/2022 | 06:56



Com a presença de representantes de 14 países da América Latina e Caribe, iniciou-se hoje na cidade de Tenancingo, no México, uma nova reunião do Comitê Executivo da CLATE. O chefe do SUTEYM, organizador do encontro, Herminio Cahue Calderón, deu as boas-vindas aos presentes. Então, Julio Fuentes, deu seu relatório político.





Mulheres e homens dirigentes sindicais das organizações membros da CLATE da Argentina, Uruguai, Brasil, Chile, Peru, Equador, Colômbia, Curaçao, El Salvador, República Dominicana e México estão presentes neste primeiro encontro presencial da CLATE após a Pandemia. . Além disso, representantes do Paraguai, Cuba e Guatemala participam remotamente.

Após os versos do hino nacional mexicano, o Secretário Geral do Sindicato Único dos Trabalhadores dos Poderes, Municípios e Instituições Descentralizadas do Estado do México, Herminio Cahue Calderón, que também é o 2º Vice-Presidente da CLATE, ficou encarregado de boas-vindas aos líderes do Comitê Executivo presentes na cidade de Tenancingo. “Recebemos você em nossa casa e estamos muito orgulhosos de tê-lo aqui para discutir as ações desta importante organização internacional que é a CLATE, dias antes do aniversário de nossa organização. Hoje mais do que nunca, quando infelizmente tentam fazer avançar os nossos direitos.





O mesmo foi feito, por sua vez, pelo Presidente da CLATE, Julio Fuentes, que destacou "o esforço que os irmãos e irmãs têm feito para mobilizar e participar da reunião em tempos tão difíceis". Além disso, fizeram uma primeira saudação ao encontro Percy Oyola Paloma, chefe da UTRADEC-CGT da Colômbia e 3º Vice-Presidente da CLATE; Martín Pereira, presidente do COFE do Uruguai e secretário geral da Confederação e o vice-secretário da mesma e líder da CSPB do Brasil, Sergio Arnoud.





Poder popular para mudar a realidade


Após a apresentação da memória audiovisual da CLATE, Julio Fuentes fez seu relato político e lembrou que “estamos em uma profunda crise ligada à própria existência humana. Vivemos uma crise económica, social, ambiental e climática que nos afeta a todos. E é por isso que precisamos fazer uma reflexão profunda aqui, porque não se trata apenas da disputa pela distribuição da riqueza, mas também devemos acrescentar o problema socioambiental, porque a própria existência do planeta está em risco, o própria existência da espécie".





Além disso, lembrou que “os níveis de desigualdade são tremendos, os ricos são cada vez menos, mas são mais ricos e os pobres são muito mais e cada vez mais pobres. Esta crise alimentar mostra-nos que este sistema de consumo que nos foi imposto não tem futuro” e que “a chegada de novas doenças e pandemias chama-nos a atenção e cabe-nos a nós colocarmo-nos nesse plano. Devemos nos envolver desde o sindicalismo e agir sobre o problema ambiental. Não basta ganhar mais direitos se o planeta está em risco”.

O dirigente também se referiu à guerra que abala a Europa e o mundo: "Diante do conflito e da guerra, o papel do sindicalismo deve ser, unido como classe trabalhadora internacionalmente, para apoiar a paz". 

E concluiu: “Existem movimentos populares que parecem separados, mas têm objetivos comuns: sindicalismo, ambientalismo, feminismo, juventude, povos indígenas e afrodescendentes. Precisamos coordenar ações conjuntas”, pois “a CLATE deve debater como construímos o poder popular para mudar essa realidade”.


CLATE debate alternativas aos Tratados de Livre Comércio


O Comitê Executivo da entidade deliberou na data de ontem pelo início de uma campanha de informação e conscientização sobre os TLCs e seu impacto nas economias regionais


Abaixo a íntegra do documento aprovado:


Campanha de informação e conscientização sobre os TLCs e seu impacto nas economias regionais
                                            

O problema dos Acordos de Livre Comércio (TLC) volta à agenda política regional não apenas pela evidência dos impactos negativos que encontramos quase três décadas após o início de sua implementação na América Latina e no Caribe. Diante da nova situação em que surgem, governos que tentam promover uma ordem econômica e social diferenciada do roteiro neoliberal, os TLCs se mostram como um limite e uma ameaça.

Os casos de Gustavo Petro na Colômbia, de Gabriel Boric no Chile e de Xiomara Castro em Honduras têm em comum a necessidade de repensar a atitude de seus governos antecessores em relação aos diferentes acordos de livre comércio, em vigor ou em tramitação. No México de Andrés Manuel Lópes Obrador, viu-se a necessidade de assumir como um dos eixos centrais de sua gestão a negociação do T-MEC (que substituiu o NAFTA).

Essas questões tornaram-se centrais porque a assinatura de TLCs em nossa região tem mostrado resultados muito diferentes daqueles prometidos por quem os promoveu: aumento do déficit comercial, reprimarização das economias e indicadores sociais negativos, entre outras questões.

Para o setor público, os TLCs acrescentam outras complicações, na medida em que extrapolam o marco das políticas comerciais e influenciam as questões fronteiriças dentro de nossos países. Questões como compras públicas, coerência regulatória, propriedade intelectual ou proteção de investimentos restringem a soberania dos Estados.

Eles o fazem de diversas formas, como inibindo a promoção do desenvolvimento local por meio do investimento público; desencorajando a elaboração de leis regulatórias ou tendentes a promover a justiça tributária; dificultando o acesso gratuito a medicamentos e tecnologias médicas; impedindo a garantia do uso comunitário das sementes e o trabalho pela soberania alimentar; ou expondo as administrações públicas às exigências internacionais. Essas são algumas das consequências dos TLCs.

Para explicar porque é assim, é necessário um trabalho permanente de formação e comunicação. CLATE vem trabalhando nisso há algum tempo. Hoje torna-se necessário continuar esta tarefa e reforçá-la para construir redes nacionais que promovam amplos consensos sociais tendentes a instalar a necessidade de auditorias dos tratados existentes e a sua saída, ou a resistir à ratificação de novos acordos com o Mercosul-UE ou o TPP-11.

Assumir a agenda do TLC é também assumir uma agenda de integração regional alternativa à que eles propõem. Preencher espaços com conteúdos como UNASUL, CELAC, Mercosul, Comunidade Andina, ou criar novos espaços de integração, é fundamental para pensar uma unidade que não seja feita sob medida para corporações transnacionais, mas a serviço dos povos.

Desde 2018, a CLATE participa da Plataforma Latino-Americana Melhor Sem TLC, um espaço que articula o movimento sindical com plataformas cidadãs, movimentos sociais, espaços de pesquisa acadêmica e diferentes áreas de ativismo, como meio ambiente, povos indígenas,  mulheres e diversidades. Hoje torna-se necessário aprofundar essas articulações em nível nacional, promover o conhecimento crítico sobre o assunto e construir a resistência que ilumina novos projetos alternativos.



Clique AQUI e baixe o documento original no idioma espanhol








Secom/CSPB com CLATE

 
.

Preencha o campo abaixo para receber todas as nossas notícias e informações diretamente no seu email! ;-)