Projeto Saúde - ISP apresenta proposta de trabalho para Centro de Solidariedade Sindical da Finlândia (SASK)

5/09/2022 | 07:51



Representando a CSPB, Katia Rodrigues reforçou a importância do projeto. A líder sindical denunciou o descaso do atual governo no segmento e as consequências do negacionismo e do desinvestimento que estrangula a saúde pública no país





Nos dias 1º e 2 de setembro a  Internacional de Serviços Públicos - ISP reuniu seus representantes para  apresentar propostas ao Centro de Solidariedade Sindical da Finlândia (SASK), que financia projetos que visam o empoderamento dos sindicatos a igualdade e a não discriminação. Em dois dias do encontro do "Projeto Saúde - Ampliando os Direitos das Trabalhadoras/es em Saúde na América Latina ISP/ SASK", lideranças sindicais do setor público enumeraram um conjunto de propostas à entidade finlandesa, cuja as fontes de financiamento  de projetos vinculados para outros países vêm do próprio governo da Finlândia (75%), dos sindicatos filiados ao SASK (21%) e de ONG’s e simpatizantes à causa (4%). A Confederação dos Servidores Públicos do Brasil – CSPB, entidade filiada à ISP, foi representada pela Diretora de Assuntos das Mulheres e de Gêneros, Kátia Rodrigues “Katita”. A líder sindical, na oportunidade, reforçou a importância do projeto, denunciou o descaso do atual governo no segmento, as consequências do negacionismo e do desinvestimento que estrangula a saúde pública no país.

 
Kátia Rodrigues "Katita", Diretora de Assuntos de Mulheres e de Gêneros da CSPB

                                                 
“Relatei na oportunidade que na CSPB temos trabalhadores do setor público de todos os segmentos, não somente da saúde, e que estes estão distribuídos nas três esferas: municipal, estadual e federal. Informei que atuamos em todo território nacional. Em um breve relato contei minha trajetória como trabalhadora da saúde estadual há 25 anos aqui em SP. Essas duas décadas e meia de experiência profissional deixam um lastro de percepção daquilo que realmente pode trazer um resultado efetivo. Avalio que este projeto e parceria com a ISP é de suma importância às categorias da saúde. Durante a crise causada pela Covid-19 os trabalhadores deste segmento não foram devidamente reconhecidos pelo poder público e pelo Estado. Não faltaram relatos de hostilidades por parte do povo, estimulado pelo negacionismo do mandatário deste desgoverno. No segmento saúde não somente os trabalhadores da área fim (médicos, enfermeiros, fisioterapeutas, etc) sofreram baixas, mas os demais profissionais que atuam dentro de um hospital também perderam suas vidas. Estes foram muito afetados física e psicologicamente sem que estes danos tenham sido mínimamente reparados. É preciso cuidar de quem cuida da gente”, avalia Katita.

Os representas da ISP elencaram, na oportunidade, propostas de trabalho e atuação conjunta com o SASK com o objetivo de perseguir a regulamentação da Convenção 151, que versa sobre a liberdade sindical, negociação coletiva, e direito de greve no setor público; A implementação e ampliação para as demais categorias de um piso nacional nos moldes do “Piso nacional da Enfermagem”; A regulamentação da Convenção 190, que reconhece que a violência e o assédio moral ou sexual no mundo do trabalho levam à violação dos direitos humanos; O levantamento de dados de como os trabalhadores foram e continuam sendo afetados a nível municipal, estadual e federal pelas sequelas das Covid-19.





                           
Encaminhamento de pautas para trabalhar dentro das Propostas sugeridas pela ISP-Brasil:


- Vacinas (viável vacinação de covid-19 anual?)  e TRIPS (quebra de patentes);

- Trabalhadores de Cuidados (discutir políticas públicas a esses trabalhadores);

- Ampliar a Organização Sindical entre os Estados;

- Temas Ambientais (como a crise climática afeta o setor saúde, as catástrofes naturais);

- Tratado Mundial (a OMS correspondeu adequadamente no período da pandemia?);

- Realizar um Evento Regional entre México, América Central, países Andinos e Brasil de 06 a 08 dezembro/2022 em São Paulo ou Florianópolis (ainda a definir) para se discutir além desses assuntos, a possibilidade de  fundação de uma Federação ou Confederação Regional do Setor Saúde da América Latina.


Sobre o SASK: Centro de Solidariedade Sindical da Finlândia (SASK) é uma entidade sindical que nasceu em 1986, com 34 sindicatos filiados de diversos segmentos e categorias e 02 confederações, na qual atua com projetos sociais e educacionais, atualmente na América Latina, África e Ásia.

O Projeto Saúde está sendo lançado simultaneamente no Brasil, Colômbia e Guatemala.

Após a saída do governo Lula/Dilma em 2016, o SASK por uma decisão política resolveu interromper a parceria e seu programa de cooperação sindical no Brasil, retomando agora em 2022.


Pontos estratégicos e de atuação do SASK:              


- Empoderamento aos sindicatos, igualdade e a não discriminação;

- Digitalização e novas formas de trabalho e fortalecimento;

- Papel em desenvolver a consciência dos trabalhadores/as com comunicação global, educação global, promover eventos, seminários com material didático, realização de campanhas;

- O financiamento dos projetos do SASK para outros países vem do próprio governo da Finlândia (75%), dos sindicatos filiados (21%) e de ONG’s e simpatizantes à causa (4%).

- O SASK têm atualmente 30 projetos implementados a nível global;

- Haverá um investimento do SASK de 1,6 milhões de euros para a América Latina de 2022 a 2025, sendo no Brasil: Seguimento Industrial (IALL), Privados(UNI) e Serviços Públicos (ISP);

- Áreas temáticas chaves de Objetivos da SASK: Direitos Sindicais, Equidade de Gênero, Transição Justa, Seguridade Social e Futuro do Trabalho.



Secom/CSPB com informações da Diretora Kátia Rodrigues

 
.

Preencha o campo abaixo para receber todas as nossas notícias e informações diretamente no seu email! ;-)