CLATE: Em meio à repressão, o Senado argentino aprovou a Lei de Bases

14/06/2024 | 06:03





Em meio à rejeição popular, à repressão e à compra de votos, o Senado argentino aprovou na quarta-feira (12/06) o projeto de Lei de Bases promovido pelo governo de Javier Milei. As organizações que compõem a Confederação Latino-Americana e do Caribe de Trabalhadores Estatais - CLATE naquele país estiveram presentes na mobilização fora do Congresso e lamentaram o resultado da votação.

Depois de uma sessão que durou mais de 12 horas no Senado e de uma mobilização massiva que foi brutalmente reprimida pelas forças policiais, foi votado o projeto de lei que desregulamenta a economia argentina, permite privatizações, elimina direitos trabalhistas e beneficia grandes investidores, entre outras medidas. 





A votação terminou empatada em 36 a 36 e a decisão final foi da vice-presidente Victoria Villarruel, que deu seu voto favorável e justificou a repressão aos manifestantes. O projeto agora retorna à Câmara dos Deputados para aprovação final.





"Com a aprovação da Lei de Bases, o país vira colônia e os trabalhadores ficam escravizados. Os senadores tornaram-se nossos algozes. Eles reprimiram incessantemente e distribuíram dinheiro e acusações para legalizar a maior fraude trabalhista da história ”, disse o secretário-geral da Associação dos Trabalhadores do Estado (ATE) da Argentina, Rodolfo Aguiar. 

 
A ATE esteve presente na massiva mobilização diante do Congresso Nacional


"Estamos perante uma reforma absolutamente regressiva que, uma vez instalada, será muito difícil de reverter. Nem um único artigo representa um direito ou benefício para os trabalhadores. Apesar dos trechos removidos, o poder danoso da norma não diminui. A rotatividade de trabalhadores será muito elevada e haverá mais precariedade e exploração. Nessa linha, no curto prazo, a informalidade laboral chegará a 70% ”, acrescentou o dirigente.

E concluiu: "Com lei ou sem lei, a extrema direita não vai parar a sua tentativa de tirar todos os nossos direitos e de nos submeter aos poderosos. A partir da ATE continuaremos a lutar por um contrato social baseado numa sociedade com pleno emprego e salários dignos, com direitos sociais e liberdade de associação".

Por sua vez, o titular da Federação Judiciária Argentina (FJA) e secretário suplente de Formação da CLATE, Matías Fachal, afirmou que os senadores que votaram a favor desta lei são “cúmplices da entrega, desmantelamento e saque do nosso país”. explicou: “Esta lei consolida o que o governo já fez: dissolver organizações, instituições estratégicas do Estado, aniquilar o papel equalizador que o Estado deve desempenhar, tornando o nosso trabalho ainda mais precário e flexível”.

Da mesma forma, o secretário-geral do Sindicato dos Funcionários Hierárquicos do Banco da Província de Buenos Aires (UPJ), Guillermo Lugones, afirmou: “Infelizmente o slogan 'uma Pátria não está à venda' não é passado. “Os senadores que votarem contra o país vão obviamente preferir o desenvolvimento de dois bens pessoais ao país.”

 
Arturo Quiñoa (APJBO) e Guillermo Lugones (UPJ) estiveram presentes na mobilização contra a Lei de Bases.


"A repressão é a única forma de silenciar o povo. Falam de liberdade, mas não existe liberdade de expressão. Então, de que liberdade estamos falando? “É uma liberdade mentirosa”, questionou.





"É um momento de muita dor para os trabalhadores e isso começará a ser percebido assim que tudo o que foi aprovado for concretizado. E não haverá como voltar atrás", disse o líder. Mas esclareceu: “Os sindicatos vão arregaçar as mangas e lutar até ao fim”.

O secretário-geral da Associação de Pessoal Hierárquico dos Bancos Oficiais (APJBO), Arturo Quiñoa, também se pronunciou, destacando: "A mobilização foi massiva, pacífica, e contou com a participação de todos os setores da sociedade. Como sempre, houve repressão e infiltrados, um clássico dos governos totalitários e antioperários. O governo conseguiu aprovar a lei com base em concessões e na compra de votos com favores. “Esta é a política deste governo que tenta atingir os seus objetivos a qualquer custo”.





Por fim, o presidente da CLATE, Julio Fuentes, expressou: "É um dia de profunda tristeza para o nosso povo argentino. Hoje os senadores decidiram entregar o nosso país e nos levar de volta ao século XIX. Votaram a favor dos mais ricos e das multinacionais, e contra os trabalhadores e reformados, contra os nossos direitos conquistados, as nossas empresas públicas e a nossa soberania”.





"Mas os sindicatos não vão desistir. Vamos continuar lutando nas ruas, mesmo que nos reprimam com balas e gás como fizeram hoje. Porque, como disse há poucos dias perante a OIT, não compareceremos como testemunhas imóveis do roubo dos nossos direitos”, acrescentou o responsável da CLATE.

E lembrou as palavras de Germán Abdala, líder histórico da ATE: «Haverá líderes que serão a maioria no movimento operário e que serão consistentes com o seu mandato, haverá líderes políticos que não vão encarar a política como mais uma parte do jet-set e da frivolidade, que tentará mudar a sociedade em que vivemos. Então, nesse momento, quando essas relações de poder forem modificadas, essas legislações que hoje parecem derrotas terríveis, vamos mudar todas elas”.




Fonte: Confederação Latino-Americana e do Caribe de Trabalhadores Estatais - CLATE
 
.