fechar atenção

Busca não realizada!

Sua busca deve conter no mínimo 2 letras

Vamos atacar a reforma nas Convenções Coletivas, diz Luizinho da Nova Central

4/09/2017 | 15:02

O Programa da Sexta, na Rádio Web Agência Sindical, recebeu sexta-feira (1º) o presidente da Nova Central no Estado de São Paulo, Luiz Gonçalves (Luizinho). Ele fez um balanço do atual cenário econômico e sindical ante a iminente vigência da reforma trabalhista.

O dirigente falou também sobre o plano de lutas que será adotado pela Central em conjunto com outras entidades. Para o sindicalista, Temer mente e engana trabalhadores e população quando defende a reforma trabalhista. “O governo diz que não haverá perdas com a reforma. É mentira! Essa lei vai acabar com tudo que levamos anos para conquistar”, disse.

Luizinho citou também a propaganda negativa que fazem dos Sindicatos. “Dizem que os Sindicatos são ricos e que recebem recursos bilionários. Isso é outra mentira! Se colocarmos na ponta do lápis, para os Sindicatos não chega um terço do que vai para partidos políticos ou para o sistema S. Estes sim ganham muito dinheiro à custa dos trabalhadores”, enfatiza.

Ações - De acordo com sindicalista, a Nova Central vem orientando os Sindicatos filiados a combaterem o que ele chama de “deforma trabalhista”. “Se pela nova lei vale o negociado sobre o legislado, então vamos colocar itens que impeçam a implantação da reforma nas Convenções e acordos coletivos”, ressalta.


Luizinho destaca também as ações de esclarecimento para trabalhadores e sindicalistas. “Estamos elaborando uma cartilha unificada, em parceria com o Dieese, Diap e outras Centrais. Nela, explicamos tudo que muda a partir de novembro. O trabalhador precisa saber as dificuldades que vai enfrentar e entender que precisa de um Sindicato forte”, conclui.

Fonte: Agência Sindica

.

Preencha o campo abaixo para receber todas as nossas notícias e informações diretamente no seu email! ;-)

24 de Maio: Presidente CSPB convoca filiadas e cerrarem fileiras em defesa da imediata redemocratização do país. Segue a íntegra do pronunciamento: