fechar atenção

Busca não realizada!

Sua busca deve conter no mínimo 2 letras

CSPB participa de momento histórico no sindicalismo internacional

13/08/2014 | 21:18

 por Grace Maciel
 

A Confederação dos Servidores Públicos do Brasil- CSPB, participa da criação e funcionamento da Confederação Trabalhadores Municipais-ISP Américas (Contram– ISP Américas) . A entidade constituída começou a funcionar oficialmente, após a sua criação no Congresso Regional de Pachuca de Soto, Estado de Hidalgo, México, no dia 6 de agosto de 2014, data considerada um marco no movimento sindical municipal da ISP Américas.

Esta organização sindical corresponde às políticas da Internacional de Serviços Públicos e defenderá os interesses específicos do coletivo de trabalhadores/as municipais da América Latina e Caribe.



O presidente da CSPB, João Domingos Gomes do Santos, orgulha-se por ter levado a maior delegação presente no evento. Além de Domingos, participaram do encontro, os dirigentes sindicais:o diretor jurídico da entidade, Osmir Bertazzoni; o diretor financeiro, Cosme Nogueira; o diretor de assuntos do poder executivo municipal, Antonio Fernando David; o integrante do conselho fiscal, Sandro Pereira Valverde; o diretor de assuntos intesindicais, Rudney Vera de Carvalho; a vice-presidente do Piauí, Gleidys Fontenele Castro; Karla Lúcia de Oliveira, secretária-executiva de negociação e resolução de conflito; o diretor de mobilização da sociedade civil organizada, Antônio Carlos Augusto da Silva;  o secretário executivo do Sicoserv, Mauro Zica Júnior; o diretor de assuntos da área estadual, Marcos Kersting e o dir. de assuntos municipais, Mauro Lúcio e outros convidados.



















Os dirigentes puderam acompanhar, além da formação da Contram – ISP Américas, debates sobre temas relevantes no cenário internacional como: “ Justiça Fiscal e como a corrupção e a evasão de impostos prejudicam os serviços municipais”, as “ameaças dos tratados de livre comércio”, o “combate à privatização e à corrupção”, e a “organização das Mulheres, Jovens, LGBT e a unidade entre todos/as trabalhadores/as Municipais da América”.

O diretor Jurídico da CSPB, Dr. Osmir Bertazzoni, avaliou o encontro que reuniu vários países e culturas diferentes: "um aprendizado muito importante, convivermos com a adversidade ideológica e construirmos um futuro melhor para os servidores públicos da America Latina, todos os participantes estão de parabéns. Avante CSPB". Comemora.

Também participaram do congresso representantes da Argentina, Chile, Colômbia, El Salvador, Honduras, México, Nicarágua, Paraguai e Venezuela, tendo uma representante do Caribe como observadora.

Confira aqui as fotos em nossa galeria no facebook
veja aqui a matéria anterior
repercussão de nossa primeira matéria no site O Vermelho



Comitê Diretivo da Contram-ISP Américas

Foi aprovada a composição da direção da entidade durante a assembleia geral do Congresso. São 16 membros: oito titulares e oito suplentes, sendo 50% mulheres e mantendo, dessa forma, a equidade de gênero nas representações.



Para os cargos da direção, foram eleitos: Rubén García (Argentina),  Darío Restrepo (Colômbia), Lairet Figueroa (Venezuela), Yesenia Jirón (Nicarágua); Mirtha Arias Noguer (Paraguai), João Domingos dos Santos (Brasil) e Paula Leite (Brasil).  Como suplentes, foram eleitos: Mariana Chicaiza (Equador), Juan Bautista Estrada (Colômbia), Ana María Ríos (Honduras), Juan Camilo Bustamante (Chile), Odenir Guterres (Brasil), Karla Lucía Alves (Brasil) e Melvin Armando López (El Salvador). Ainda falta designar um representante titular masculino do México e outra representação feminina suplente do Paraguai.


O encontro contou com o apoio da FES, do GdG-KmSfB, Sindicato de Municipais da Áustria, e do SUTSPEEH, sindicato dos/as trabalhadores/as de Hidalgo, México.
 



Secom/CSPB

.

Preencha o campo abaixo para receber todas as nossas notícias e informações diretamente no seu email! ;-)

João Domingos alerta que governo, ao "retirar" servidores municipais e estaduais da "reforma" da Previdência, pretende desmobilizar as manifestações contra a extensa agenda de retrocessos e jogar a conta da para governadores e prefeitos.