fechar atenção

Busca não realizada!

Sua busca deve conter no mínimo 2 letras

URUGUAI: Crise entre Uruguai e Argentina " não é tolerável " para o sindicalismo

18/02/2014 | 14:06


 Dirigentes sindicais do PIT- CNT , CTA e CGT se reuniram em Montevidéu.
 
tradução Grace Maciel

A crise bilateral entre o Uruguai e a Argentina "não é tolerável " nem " suportável " para os trabalhadores e, portanto,  a partir do movimento sindical  provoca-se a ambos os governos a " chegar a acordos que beneficiem a ambos ", foi o que declararam os sindicalistas nesta sexta-feira(14) a união de ambos os países .
 
A Ordem Executiva uruguaio e argentino foi a principal conclusão da reunião realizada hoje entre o PIT- CNT , anfitrião do encontro, e os delegados da Confederação de Trabalhadores da Argentina (CTA ) e da Confederação Geral do Trabalho (CGT) .
 
O pedido ao Executivo uruguaio e argentino foi a principal conclusão do encontro realizado hoje entre o Pit-Cnt, anfitrião do encontro, e delegados da Central de Trabalhadores  (CTA) e da Confederação Geral do Trabalho (CGT).

Segundo a Efe, o dirigente uruguaio Marcelo Abdala, no encontro os sindicalistas expressaram seu desejo de promover a integração profunda na produção em ambos países e desenvolver uma “complementaçãoo”econômica, que leve, inclusive a união de “ infraestruturas”.
 
"Isso leva a superar de uma vez por todos o conflito portuário entre nossos dois países e coloca a pensar em uma estratégia que sirva para integrar e complementar a produção , para promover  mais além da integração social. Nisto os argentinos estavam de acordo” .  Declarou Abdala.
 
As relações entre os Governos do Presidente da Argentina , Cristina Kirchner , eo presidente uruguaio, José Mujica , teve contratempos nos últimos meses.
 
O último  deles foi na véspera de quando as autoridades de Buenos Aires condenaram as que qualificaram como " infelizes e inadequadas " as declarações do ministro da Economia, Mario Bergara , que acentuou " instável " a economia Argentina.
 
O chefe de gabinete argentino, Jorge Capitanich, disse numa coletiva de imprensa que "é inaceitável ingerência nas decisões de países soberanos".
 
Fernández e Mujica se reuniu no final de janeiro , em Havana , durante a Conferência da Comunidade dos Estados Latino-americanos e do Caribe ( CELAC ) para tentar redirecionar o diálogo .
 
Apesar do encontro, permanecem abertas várias frentes entre os dois Governos , incluindo grande conflito sobre a fábrica de celulose da empresa finlandesa UPM ( ex- Botnia ) , na margem do Rio Uruguai e o desconforto  da administração de Mujica pela decisão do Executivo  de Fernandez  de impedir o transbordo de mercadorias argentinas nos portos uruguaios.
 
Segundo Abdala disse , os sindicalistas da CGT e da CTA levaram como" dever de casa" trabalhar para resolver os problemas causados no Uruguai pelas decisões do governo argentino .
 
Neste sentido, a ideia do sindicato é de reunir-se com o resto das forças de trabalho argentinas nos próximos dias e, se fosse possível , enviar uma delegação ao país vizinho para encontrar um ângulo e reunirem março para "encontrar um meio de reunirmos com o governo”
 
" Mas igualmente precisa ter modéstia. Que tenhamos uma porta, não significa que o problema se resolva. Não vamos substituir os governos nem a diplomacia. Sim , queremos deixar claro que se houver um conflitos, somos nós que quem perdemos " concluiu.
 
 
FONTE: EL País (Uruguai)
 

.

Preencha o campo abaixo para receber todas as nossas notícias e informações diretamente no seu email! ;-)

24 de Maio: Presidente CSPB convoca filiadas e cerrarem fileiras em defesa da imediata redemocratização do país. Segue a íntegra do pronunciamento: